Curta e compartilhe
  • Arquivos mensais:

    fevereiro de 2016

  • Sou um escravo feliz!

    23
    fevereiro/16

    Esta semana cheguei a uma conclusão de quem eu sou, o que faço, por que faço e como sou feliz.

    Já alguns dias após esta conclusão vi um vídeo de uma mãe que preferiu ser presa a continuar a dupla ou tripla jornada de trabalho, preferiu se isolar, ficando longe da família (marido, filhos), eu entendo o desespero dela, mas não trocaria os momentos com minha família por nenhuma liberdade. Mas não é sobre esta pessoa que quero falar, mas sim como eu descobri que sou um escravo feliz.

    Não tenho nada nesta vida, até a cama que durmo não me pertence, ela é apenas o local para eu me repousar para descansar por um tempo, para no outro dia a uma dupla jornada de trabalho, soa como um escravo, sim, levantar as 6 ou 7 da manhã, chegar ao trabalho as 08:30 sair as 17:30 com intervalo de um hora, correr para chegar em casa, pegar no outro trabalho home office das 18:30 as 23:30, sou realmente escravo e feliz por esta posição, feliz por poder servir minha família, feliz por saber que minha família tem o que comer e vestir e isso não calculo esforço, feliz por saber que estou construindo um patrimônio para minha filha. Ah! sim, por que não dizer para minha esposa? Porque a regra é que passaremos e ficará nossa filha. É tão bom poder proporcionar que minha filha esteja feliz, é tão bom nos poucos momentos durante a semana poder ver que o que eu estou fazendo é para ela e que consigo proporcionar um pouco mais de sorriso no rosto dela, mesmo ela nem entendendo isso, mas aquele tchau, aquele beijo e o sorriso antes de ir ao trabalho é tão lindo, que amo sair todos os dias para continuar vendo, e aos finais de semana passear com minha família, viver, esquecer do trabalho e estar junto, pois não basta proporcionar apenas o financeiro, ainda preciso juntar todo o restante da força para estar presente. Sim, sou um escravo feliz, um servo de minha família e não quero liberdade, quero continuar aqui neste mundinho fechado.

    Meus amores, muito obrigado por vocês existirem!

    Fazer comentário

  • Você é amigo mesmo?

    13
    fevereiro/16

    Li recentemente um artigo que achei muito bacana, não lembro exatamente o título e nem onde encontrá-lo, senão eu o citaria aqui, mas vamos refletir um pouco sobre o que ele fala, em minhas palavras.

    Por que você valoriza aquele site, programa, produto, empresa etc de um desconhecido e não da a mesma importância para um site, programa, produto, empresa de um amigo?
    - O site dele não é tão bom.
    - Uê, você não é amigo dele? Por que não dá dicas para melhorar?
    - O programa dele não é tão bom, precisamos colocar na mão de pessoas que podemos confiar que não vai vender informações.
    - Putz! Realmente você acha que é amigo dele/dela? Dê dicas e se você não confia nele, por que confia em um desconhecido? Talvez o problema seja você.
    - A empresa dele é muito pequena para dá conta do recado.
    - Se você apoiá-lo não irá fazê-lo crescer?
    - O preço não é tão acessível.
    - Já tentou negociar? A qualidade é a mesma pagando um preço diferente no outro?
    "Pior é quando ambos os serviços são grátis." Ai se há diferença de um para o outro, falta mesmo apenas ajuda emocional, insentivo ou algo do tipo.

    Você não é obrigado a fazer nada disso, mas penso que um verdadeiro amigo daria dicas para seu amigo crescer e se alegraria com o crescimento do seu amigo.

    Isso é algo que penso a décadas, li um artigo recentemente sobre e resolvi deixar esta reflexão.
    Conheço pessoas assim, eu os trato com respeito, como seres humanos, mas fica difícil dizer que são amigos.

    Fazer comentário

  • 1